ABORDAGEM ARTESANAL, CRÍTICA E PLURAL / ANO 13

América do Sul, Brasil,

segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Octavio Ianni e o ensino de Ciências Sociais

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Neste vídeo introdutório, eu apresento as ideias do grande sociólogo Octavio Ianni sobre o ensino de Ciências Sociais.



O vídeo tem como fundamento uma palestra proferida em 1985 e publicada nos Cadernos Cedes, volume 31, número 85, em 2011, com o título "O ensino das Ciências Sociais no 1o e 2o graus".

 

terça-feira, 5 de outubro de 2021

David Bloor e o Programa Forte em Sociologia do Conhecimento

 Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Neste vídeo introdutório, eu apresento as ideias básicas do Programa Forte em Sociologia do Conhecimento, desenvolvidas pelo sociólogo David Bloor.

 

O vídeo tem como fundamento o livro de David Bloor intitulado "Conhecimento e imaginário social".

 

quarta-feira, 29 de setembro de 2021

Juarez Dayrell, juventudes e escolarização

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Neste vídeo introdutório, eu apresento algumas ideias do professor Juarez Dayrell (UFMG) sobre as juventudes brasileiras e suas relações com a escola.

 
O vídeo tem como referência o artigo "A escola faz as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil" (disponível na seção "Biblioteca" deste blog, subseção "Ensino & Aprendizagem"), publicado na Revista Educação e Sociedade, em 2007.

 

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

Feyerabend e o "vale tudo" epistemológico

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Neste vídeo introdutório, eu apresento as polêmicas ideias de Paul Feyerabend contra a universalidade do método científico e em favor de uma espécie de "vale tudo" epistemológico.



O vídeo acima tem como fundamento o capítulo XII do livro escrito por Alan Chalmers, intitulado "O que é ciência afinal?".

 

sexta-feira, 10 de setembro de 2021

Tim Ingold e a educação da atenção

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Neste vídeo introdutório, eu apresento a perspectiva do antropólogo Tim Ingold sobre a aprendizagem, a partir da educação da atenção.

 


O vídeo se fundamenta no artigo "Da transmissão de representações à educação da atenção", publicado na Revista Educação, em 2010.

 

terça-feira, 7 de setembro de 2021

Gira, Janaína!

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Era 7 de setembro e no outro lado das cidades os fanáticos genocidas forçavam a barra para que as coisas que já estão ruins fiquem ainda piores. Faltar comida, emprego, luz e água ali na frente, morrer meio milhão e deixar um rim no posto de gasolina era tudo culpa dos barbudos que "o pai ouviu falar no zap".

Gira, Dona Janaína! Foi o que as gentes ouviram quando pisaram a esquina e sentiram o cheiro do mar. Sem precisar entender bem, dançaram sentindo o balanço da vida nesses tempos de águas turbulentas e horizontes fechados.

Girava Janaína e as gentes se encharcavam com a força dos mares da Guanabara. Voavam no tempo com as flechas dos guerreiros indígenas nas batalhas contra o extermínio da vida e das florestas desses tristes trópicos.

Perto das ondas do Norte, teciam balaios e revoltas porque a morte não deve vir em forma de soldados e capangas mercenários. Nossa vida é semente que brota no terreiro fértil da brasilidade. Que mora longe das monoculturas de açúcar, café, soja envenenada ou carnes de gados escravizados.

Sendo a vida uma riqueza de todos, não de uns poucos falos brancos sem vigor, ela banhava os corpos das gentes com a coragem dos lanceiros negros gaúchos. Coragem traída pelos latifundiários e seu racismo em constante atualização, seja nos pampas ou na Bahia de todos os santos.

As flechas seguiam nos ares e as gentes colavam com quem foi de aço nos anos de chumbo. Entre os porões do terror de Estado dos torturadores e a luta por liberdade, Janaína permanecia na gira, renovando a vida na brasilidade maltratada.

Enquanto os fanáticos genocidas se esforçam pela destruição, a força de quem quer vibrar e sorrir com o que podemos de melhor não deixa de girar. Nos botecos e nos pandeiros, nas quebradas e nas rimas, nas ruas, assembleias e salas de aula, as gentes continuam a endurecer sem perder a ternura.
 

terça-feira, 24 de agosto de 2021

Muniz Sodré e a reinvenção da educação

Bernardo Caprara
Sociólogo e Professor

Neste vídeo introdutório, eu apresento as principais ideias do professor Muniz Sodré sobre a reinvenção da educação, a partir da perspectiva da descolonização e da ecologia dos saberes.


O vídeo tem como fundamento o livro "Reinventando a educação: diversidade, descolonização e redes", de autoria de Muniz Sodré.